Posts Marcados Com: inspiração

Antoine de Saint-Exupéry

Image

Antoine de Saint-Exupéry

“Meditava sobre minha condição, perdido no deserto e ameaçado, nu entre a areia e as estrelas, afastado por um longo silêncio dos pólos de minha vida. Sabia que haveria de gastar, para voltar às minhas terras, dias, semanas, meses, se nenhum avião me encontrasse, se os mouros não me massacrassem no dia seguinte. Não possuía mais nada no mundo. Era apenas um mortal perdido entre a areia e as estrelas, consciente da única doçura de respirar…

Contudo, eu me descobria cheio de sonhos. Sonhos que me vinham em silêncio, como água da nascente, sem que eu compreendesse, a princípio, a doçura que me invadia. Não houve imagens nem vozes, mas o sentimento de uma presença, de uma ternura próxima, que já adivinhava. Então comprendi e me abandonei, de olhos fechados, aos encantamentos da memória.”

Trecho do livro Terra dos homens, do aviador e escritor Antoine de Saint-Exupéry.

Anúncios
Categorias: Fonte de inspiração | Tags: , , | Deixe um comentário

Ryszard Kapuscinski

“Como o andamento e a forma das saudações têm extremo significado para o futuro do relacionamento entre as pessoas, aqui [em Kumasi, cidade de Gana] se dá muita importância à maneira como eles se processam. O mais importante é demonstrar, de saída, logo no primeiro momento, sincera alegria e enorme cordialidade. Começamos por estender a mão. Mas não de modo formal, moderado, superficial, e sim exatamente ao contrário, como se fôssemos aplicar no outro um golpe enérgico, como se, em vez de lhe apertar calmamente a mão, quiséssemos arrancar-lhe o braço. Se ele mantém a mãe aberta e no mesmo lugar, é que, como conhecedor das regras de saudação, também está tomado pelo ímpeto de aplicar o mesmo golpe e arremessar a mão em direção à nossa, com toda força. As extremidades do corpo de cada um, carregadas de enorme energia, encontram-se no meio do caminho e, chocando-se com grande impacto, reduzem a zero as forças contrárias. Ao mesmo tempo que as mão se projetam velozmente para se encontrar, soltamos a primeira de uma série de gargalhadas. Significa que estamos felizes por termos nos encontrado e com boa disposição um para o outro.

Em seguida, vem uma série de perguntas e respostas casuais: ‘Como você está?’, ‘A saúde está boa?’, ‘Como vai a família? Todos com saúde? E o vovô? E a vovó? E o titio? E a titia?’ etc. etc., pois as famílias aqui são grandes e ramificadas. As boas maneiras pedem que cada resposta favorável seja acompanhada de uma prazenteira risada, que deverá provocar uma semelhante, ou então uma homérica gargalhada em quem fez a pergunta.

Freqüentemente, podemos ver duas ou mais pessoas paradas na rua contorcendo-se em risos. Não significa que estejam contando piadas. Estão apenas se cumprimentando. Quando os risos cessam, significa que a cerimônia de cumprimentos terminou e que se pode, então entrar no mérito da conversa, ou que o ritual foi interrompido para que os participantes possam dar um merecido descanso às cordas vocais”.

Trecho de Ébano – minha vida na África, do polonês Ryszard Kapuscinski.

Categorias: Fonte de inspiração | Tags: , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.